em

Prefeitura ainda tem R$ 30 milhões de restos a pagar

Dos 49,9 milhões em dívidas herdadas quando a atual administração assumiu a Prefeitura em 1º de janeiro de 2017, já foram pagos R$ 19,6 milhões. Os R$ 30,4 milhões restantes devem ser pagos ainda este ano, segundo afirmou o prefeito José Gomes Branquinho em entrevista coletiva concedida na manhã desta quinta-feira (27/4). Durante a entrevista, o prefeito teve a companhia do vice-prefeito Waldir Novais.
No esforço de ajustar as contas da Prefeitura, a administração começou pagando as folhas salariais atrasadas de novembro, dezembro e o 13º dos servidores efetivos. Também acertou as rescisões contratuais dos cargos de confiança e dos comissionados vinculados à administração passada.
Desde janeiro, os servidores da Prefeitura recebem o salário no último dia útil do mês trabalhado, conforme determinação da administração municipal. Durante a entrevista, Branquinho anunciou que o salário do mês de abril dos servidores da PMU será pago amanhã (sexta-feira, 28).
“Temos pela frente : continuar pagando os salários em dia, pagar as contas que estamos fazendo e, na medida do possível, pagar tudo o que a Prefeitura deve”, afirmou o prefeito, esclarecendo que há dinheiro disponível no caixa da Prefeitura, mas na forma de recursos vinculados (verba carimbada para determinada obra ou serviço, não podendo ser remanejada para outro gasto ou investimento).
Pagar “tudo o que a Prefeitura deve” envolve saldar dívidas com os fornecedores, que vão de posto de combustíveis até empresas de manutenção de energia elétrica, passando por limpeza pública e compras em supermercado.
2017 comprometido
De acordo com o prefeito Branquinho, o ano de 2017 será marcado pelo pagamento de dívidas deixadas pela administração anterior. “Eu já me conformei com isso. Este ano, não vamos fazer aquilo que gostaríamos de fazer, aquilo que é aspiração da população ou desejo da administração. Este ano está comprometido”.
“A população não pode achar que as coisas já estão bem, que já foram resolvidas. Não esperem obras significativas para este ano, porque ainda estamos ajustando as contas”, afirmou.
Além do compromisso de pagar fornecedores, a administração pretende continuar as obras iniciadas na gestão anterior, segundo Branquinho. “São obras inacabadas que devemos dar continuidade, senão vão se deteriorar ou ser depredadas. Quero repetir que este ano está comprometido”.
Segundo o prefeito, 2017 vai marcar o calendário da administração municipal como um ano de pagar contas, mudar os costumes, mudar a forma de administrar. “Vamos apresentar nosso jeito de administrar, que é feito de outra forma”, ressaltou.
Mudar costumes
Durante a entrevista, Branquinho afirmou que mudar os costumes enraizados é ainda mais difícil do que resolver os problemas financeiros.
E aí ele citou os costumes administrativos (dentro da própria prefeitura), os costumes dos fornecedores e prestadores de serviços à Prefeitura, os costumes da população (como colocar lixo nos canteiros), os costumes dos loteadores, os costumes dos prestadores de serviços, enfim, hábitos e costumes que precisam ser remodelados para construir uma cidade com melhor qualidade de vida.
Em todos esses campos, segundo o prefeito, a administração está reaprendendo a negociar (e cobrar), para mudar costumes e ajustar valores. Como exemplo, ele citou negociações para o ajuste dos preços de obras e de serviços prestados à prefeitura, bem como para o valor dos aluguéis pagos pela PMU, os quais estão passando por intensa redução para ajuste à situação financeira do município.
Os costumes também estão passando por uma série de ajustamentos no setor de posturas. A fiscalização está nas ruas, cobrando das pessoas que observem a legislação municipal nos variados campos da atividade urbana. O objetivo é obter um município mais organizado e disciplinado, condição para o crescimento com progresso.
“Unaí não tem volta, vai crescer de qualquer forma”, declarou Branquinho, ao elogiar o “potencial extraordinário” do município, que se destaca pela agricultura de alta tecnologia e pelas mais de 6 mil propriedades rurais produtivas.
Ele citou também a diversidade da população unaiense, com cada segmento revelando suas necessidades e desejos (muitas vezes conflitantes e que precisam ser equalizados), e a “enorme” população flutuante que demanda Unaí diariamente para negócios e serviços.
Tudo isso somado forma o imenso mosaico de crescimento e desenvolvimento em que Unaí vem se transformado. “E ainda temos o privilégio de estarmos a apenas 160 quilômetros de um aeroporto internacional”, salientou Branquinho.
Outros temas
Além de explanar sobre a situação financeira do município, o prefeito respondeu a perguntas pontuais dos repórteres e comentou ainda sobre loteamentos, sobre a rodovia que vai da ponte Abdon Salgado até o Mamoeiro (MG-188, que será devolvida ao DER), aluguéis de imóveis para a Prefeitura, obras inacabadas, festa do Boqueirão e a da Moagem, serviços de varrição e coleta de lixo, servidores da Prefeitura, mudança de endereços (para ajuste de gastos) de órgãos ligados à Secretaria de Fazenda, à Secretaria de Saúde e à Secretaria de Desenvolvimento Social, entre outros.


Deixe seu Comentário

Solenidade de Formatura do Curso de Formação de Soldados (CFSd/2016-interior)

Prefeito visita distrito de Palmeirinha e traça planos para os próximos três anos